quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Mostrando um futebol medíocre, Atlético perde em casa para o Galo

Em duelo particular na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro 2011, o Atlético Paranaense se deu mal ao perder por 1 a 0 para o xará Atlético Mineiro, em plena Arena da Baixada. Com o resultado, o Furacão cai para a penúltima colocação, com os mesmo 18 pontos ganhos do adversário, que fica uma posição à frente pelos critérios de desempate.
Em uma partida equilibrada por baixo, o gol do Galo surgiu em um lance chorado. Aos 22 minutos do segundo tempo, Magno Alves sofreu pênalti de Wágner Diniz. Na cobrança, Mancini viu o chute no cantinho bater no goleiro Renan Rocha, na trave e finalmente entrar.
Uma partida, marcada pela mediocridade do time rubro-negro. Mais ma vez, o futebol de Wagner Diniz e Paulinho, foram fundamentais na derrota do time.
Malucelli acabou com o Atlético, essa é a verdade!
Na próxima rodada, o Atlético Paranaense vai a Porto Alegre, onde encara o Grêmio, domingo no estádio Olímpico.

O jogo dos 6 pontos...

O Furacão recebe o Atlético Mineiro, pela primeira rodada do segundo turno, do campeonato brasileiro.
Os Atléticos, estão na temida zona do rebaixamento, mas só queremos, que um Atlético saia: O Clube Atlético dos Paranaenses.
A bola rola, nesta quarta-feira, às 20h30, na Arena da Baixada. e a torcida rubro-negra, promete apoiar o time os 90 minutos.
Uma vitória tira o Furacão - provisoriamente - da zona de rebaixamento. Mas além de conquistar os três pontos, vai precisar torcer contra o Bahia, que joga na quinta, às 20h30, contra o América-MG, em Pituaçu, para ficar fora da degola.
Renato Gaúcho sabe das dificuldades da partida. "Precisamos fazer o dever de casa, mas do outro lado também tem uma equipe que está jogando uma Copa do Mundo, necessitando de pontos, tem um bom time e não será nada fácil", alertou.
Sem Edilson e Manoel, suspensos pelo terceirão cartão amarelo, o treinador confirmou os substitutos e disse que as ausências não serão sentidas. "Não, porque o Wagner (Diniz) já vem jogando há alguns jogos. O próprio Gustavo já jogou. Eles se conhecem bem, a gente tem nosso esquema, quanto a isso não vai ter problema", afirmou o treinador.
Quem pode ser a surpresa na equipe é o garoto Pablo. Recém chegado ao time profissional, após subir da base, o atacante pode entrar na vaga de Edigar Junio, para tentar suprir a carência do homem de área.
Que seja a primeiro jogo, de um grande segundo turno, para o Furacão!



terça-feira, 30 de agosto de 2011

Nada de comandos na Baixada

As torcidas Ultras e Fanáticos, a partir desta quarta-feira, no jogo com o Atlético-MG, pelo returno do Brasileiro, as facções estão proibidas de usar camisetas ou outros materiais com referências aos chamados “comandos” internos.
De acordo com informações do clube, a medida atendo ao Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado em maio, entre as torcidas Ultras e Fanáticos, o clube e o Ministério Público (MP).
Considerando que os “comandos” (subdivisões existentes em bairros da cidade) são focos de violência, o MP determinou a extinção destas facções.
Por orientação do MP, a partir de agora, a torcida será identificada apenas por um nome, não podendo fazer referências a grupos, com uma única exceção: a ala feminina, o tradicional Pelotão Feinino da Fanáticos.

A frase do dia...

O departamento de informática, da Torcida Organizada os Fanáticos, mandou muito bem, com seu texto em seu site oficial.
Um parágrafo, marcou muito para nós e vale a pena repetir aqui:

"Como é bom calar a fraquíssima torcida do time rival em pleno chiqueirão. É impressionante como esta torcida é ridícula e só canta quando faz gol ou em escanteios perigosos. Parabéns para todos os guerreiros que estiveram presentes no pinga-mijo e cantaram durante todo o jogo, mesmo o time devendo e perdendo o jogo. A cada clássico fica mais evidente: COMO É BOM SER ATLETICANO"!!! Torcida os Fanáticos.

44% é pouco demais!!!

Nas estatísticas do Nacional, o Furacão ocupa a 15ª posição: nas nove partidas que disputou em casa, o Atlético venceu três, empatou quatro e perdeu duas vezes. Na contagem de gols foram 11 marcados e o mesmo número sofridos. O aproveitamento na Arena da Baixada é de 44%.

Baier e Branquinho voltam para o DM

O meia Paulo Baier, que estava treinando normalmente, voltou a sentir dores no músculo adutor da coxa e retornou ao departamento médico. Já Branquinho, não joga mais esse ano. O meia vai ser operado na quinta-feira. Com fortes dores no músculo adutor da coxa há três meses, Branquinho não vai escapar da faca.
Boa sorte Branquinho, nós do Espaço Atlético, queremos te ver, fazendo bonito com a camisa do maior do estado.


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Quem entra na vaga de Manoel?

O técnico do Atlético, Renato Gaúcho, tem quatro opções para substituir o zagueiro Manoel, suspenso, na partida contra o Atlético-MG. Bruno Costa, Bruno Pires, Rafael Santos e Gustavo Araújo disputam a camisa 3 rubro-negra. O último, que entrou no segundo tempo do empate por 1 a 1 com o Coritiba, é o favorito para a vaga.
Que seja o Gustavo, ou Bruno ou Bruno Pires, mas pelo amor de Deus: Nada de Rafael Santos... mais conhecido como "chama gol".
Assim como Manoel, o lateral-direito Edílson também cumpre suspensão diante do Galo. Para o setor, Renato conta com Wagner Diniz e Wendel.

domingo, 28 de agosto de 2011

O câncer do Furacão. Por Everton Furtado

Hoje a sorte esteve do nosso lado, gostaria muito de falar sobre o ATLEtiba de hoje, mas para ser sincero, foi um jogo horrível, e o que nos salvou foi unicamente a sorte, ou talvez seja o Renato que anda fazendo umas quizumbas por aí, enfim, o assunto principal não é esse.
Hoje gostaria de falar sobre uma doença no Atlético, um câncer incurável e que pode se espalhar e contaminar todo o resto, o nome desse câncer é Paulinho. Esse cara quando chegou no atlético, eu juro que achei que tínhamos encontrado um bom lateral, e até então encontramos mesmo, pois ele fazia boas jogadas, participava nos lances, tudo bem, não ia em dividida, mas eu pensava que ele queria preservar a sua integridade física, já que como dizia o Luxemburgo "ele é um filé de borboleta", mas realmente o cara não pode mais jogar, eu fico loco de ver o cara perder bolas que são imperdíveis, o cara não marca, não dribla, não chuta, é um cagão que se vê um outro lateral maior que ele, o cara afina, e quando lançam pra ele, ele não alcança a bola. A paciência que eu tinha estourou. Já tinha visto muitas críticas a seu respeito, mas pensava comigo que foi apenas uma partida ruim, não podemos crucificar o cara, todo mundo tem um dia de trabalho ruim, depois pensei que foram duas, e três, e cinco, e dez, e o brasileirão todo, e o atletiba de hoje foi a gota d'água, na minha opinião se tivéssemos um outro lateral hoje, acredito que teríamos saído do pinga mijo vitoriosos. Eu sei que alguns vão querer me criticar, pois ainda existe alguém que acredita que depois de 30 jogos o cara vai melhorar, então nada posso fazer a não ser respeitar a opinião dessa pessoa, mas que o cara ta fedendo de ruim e decretando alguns resultados ruins para o Atlético, isso ele tá.

sábado, 27 de agosto de 2011

Atlético sai perdendo, mas busca o empate no clássico

Na noite deste sábado, mais um ATLEtiba foi realizado e com o resultado clássico de 1 x 1.
O Coritiba, pressionou durante boa parte do jogo mas a máxima de quem não faz toma, mais uma vez marcou presença, ainda mais quando do outro lado, está o Furacão da Baixada.
O ritmo do jogo foi ditado pelo time verde, que desde o começo da partida, atacava. Renato tentava orientar seu jogadores, para acertar um contra ataque, mas isso não aconteceu.
De tanto pressionar, o gol do Coxa saiu, em falha da zaga atleticana. Após cobrança de escanteio, Manoel ficou olhando o zagueiro Emerson, que te cabeça, abriu o placar.
Foi complicado segurar o time verde, pois além deles jogarem bem, o árbitro mandou Renato Gaúcho para o chuveiro, mais cedo.
Sem treinador e perdendo o jogo, o Atlético se segurava como podia. E foi assim por toda a primeira etapa.
Na segunda etapa, Renato Gaúcho mandou colocar o volante Fransérgio como atacante. Uma verdadeira besteira, afinal, com a saída de Marcinho, o Atlético naquele momento, perdia um atleta, que a qualquer momento podia decidir o jogo.
Fransérgio nada fez e ainda atrapalhou o time. Culpa de Fransérgio? Claro que não, o culpado disso chama-se Malucelli, que não teve capacidade, para contratar um atacante matador!
Mesmo atacando pouco, foi o Furacão quem balançou as redes, aos 23 minutos. Edílson cobrou falta, a bola quicou no gramado e enganou Edson Bastos: 1 a 1.
E aí o clássico pegou fogo nos minutos finais, o Coritiba pressionava e o Atlético se segurava bem, satisfeito com o empate. Aos 37 minutos, Lucas Mendes bateu com categoria e a bola passou arrancando tinta da trave rubro-negra.
Na próxima rodada, o Furacão encara o Galo Mineiro, na Arena da Baixada

É ATLEtiba. Por Aline

Faltam algumas horas para que novamente tenhamos que colocar os pés no pinga mijo, a maior lixeira de Curitiba. Hoje acontecerá mais um clássico que move as multidões e mexe com toda a cidade. Dia de ATLEtiba tudo parece diferente. A rivalidade que nos cerca, a esperança de um bom resultado, a adrenalina em ir a um estádio que está caindo aos pedaços, o carinhoso 'hey coxa vai tomar no cu' ecoando na casa do rival. Ou seja: sentimentos movidos pela paixão à flor da pele que carregamos em nosso peito, virão à tona.
Não há tempo para falar em passado, (empate com o América, derrota e quebra de tabu contra o flamengo, jejum de vitórias) a partida de hoje é tudo o que importa. Somente o nosso arqui-rival estará do outro lado e temos o dever de enfrentá-lo com a grandeza que nos foi legada, desde o berço. Não vem ao caso os jogos em que tropeçamos, deixando o time de segunda ganhar por detalhes. Só devemos lembrar que clássico é clássico e que não existe de forma alguma, um favorito.
Para manter a expectativa, os técnicos só divulgarão as escalações alguns minutos antes do jogo. Mas, levando em consideração o trabalho de Renato Gaúcho e que todos os jogadores do elenco principal estão disponíveis para o jogo, provavelmente teremos Renan Rocha; Edílson, Manoel, Fabrício e Paulinho; Deivid, Kleberson, Cléber Santana, Marcinho e Madson; Edigar Junio. Já do outro lado, os coxinhas jogarão com: Edson Bastos; Willian Leandro, Jéci, Emerson e Lucas Mendes (Eltinho); Willian, Léo Gago, Tcheco e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill.
É necessário ter muito cuidado com os contra ataques do time das paquitas, porque esse foi um dos pontos fortes para a boa campanha no começo do ano. Deivid estará marcando e anulando, mais é necessária a colaboração de Kleberson.Sem falar que a defesa deverá prestar muita atenção nos erros bobos, que custam muito. Já os líderes Cléber Santana e Marcinho devem ter inteligência na armação, para que junto à Madson e Edigar, busquemos o gol o tempo todo.
Raça, atenção e persistência, é o que precisamos. Espero que ao ver a massa rubro negra presente, cada jogador possa dar o melhor de si para que conquistemos juntos, um bom resultado. Estarei lá, honrando o compromisso de estar sempre junto ao Atlético Paranaense. Cantando o tempo todo por amor ao Furacão, vamos que vamos!
Saudações Rubro Negras.

Hoje tem ATLEtiba no pinga mijo

Enfim, chegou o sábado! Dia do maior clássico no nosso estado. A paixão das multidões, tem nome e chama-se: ATLEtiba!
O Furacão, chega para essa partida, vindo de um péssimo empate com o América, em plena Baixada, empate que fez o time voltar para a temida zona de rebaixamento.
Renato Gaúcho, treinou o time, a semana toda e terá a disposição, todos os titulares.
O volante David, é a grande esperança de parar os baixinhos do Couto. David, se tornou a grande referência do Atlético, quando se fala em marcação. O garoto cresceu muito de produção e se tornou fundamental no esquema tático de Renato Gaúcho.
Outro que ganha força é Cléber Santana, que a cada jogo, se mostra mais solto na meia cancha atleticana.
Claro que temos problemas, afinal um time que tem Paulinho, corre riscos os 90 minutos. Não é a toa, que o apelido do jogador é Avenida Paulinho.
O Furacão vai para o clássico com: Renan Rocha; Edílson, Manoel, Fabrício e Paulinho; Deivid, Kleberson, Cléber Santana, Marcinho e Madson; Edigar Junio.
Raça jogadores, confiamos em vocês!

Vamos invadir aquele estádio que está quase caindo, cantar sem parar, apoiar o Atlético e calar a torcida de segundona... se você não vai ao jogo, vibre e torça da onde você estiver... Vamos junto com o Furacão nessa caminhada !!!
AVISO: Quem vai ao Couto muita atenção, o es...tádio literalmente pinga mijo, fede, está quase caindo e balançando de podre !
- A Torcida Os Fanáticos sairá da sua sede às 15h30, com escolta policial até o estádio do rival e logo após o jogo retornará até a sede.
-Torcedor rubro-negro: seja qual for o resultado do jogo, vá ao estádio apenas com o intuito de torcer!!!
Haverá muitos policiais trabalhando na operação do jogo, vários policiais à paisana, infiltrados nas torcidas, portanto, quem não quiser levar a pior, não faça nenhuma besteira e não promova nenhum ato de vandalismo, seja contra a Cidade ou seja contra o Clube.

O ATLÉTICO NOS UNE - A UNIÃO NOS FORTALECE!!!



sexta-feira, 26 de agosto de 2011



Time, ninguém sabe!

Renato Gaúcho comanda mais um treinamento nesta sexta-feira e aí os jogadores atleticanos já entram em regime de concentração, no CT do Caju. Se o treinador mantiver a mesma formação das últimas partidas (já são seis jogos de invencibilidade no Brasileirão), o Atlético deve ir à campo com Renan Rocha; Edílson, Manoel, Fabrício e Paulinho; Deivid, Kléberson, Cléber Santana e Marcinho; Madson e Edigar Junio.
A escalação oficial, deve sair, apenas minutos antes do clássico.

Todo apoio ao Renight. Por Diogo Rodrigues Manassés

Quando o time vence, festejam. Quando perde ou empata, a culpa é do Renato (ou Renight, como tem sido apelidado). Com o desfecho da Sul-Americana, as críticas aumentaram, tendo em vista o expresso desinteresse na competição. Justificado: a recuperação no Brasileirão é visível, não parece adequado arriscar o Brasileirão por um possível, mas muito improvável título – quero dizer, se, mesmo quando tínhamos bons times (tivemos, nos últimos anos?), não conseguimos nada na competição, por que agora, com um time fraco, conseguiríamos algo? Bom exemplo é o Goiás: foi com tudo para a Sul-Americana, mesmo tendo a chance de escapar do rebaixamento. Acabou rebaixado e sem título. Só saiu perdendo. A Sul-Americana vale a pena se existe chance de título sem risco no Brasileirão. Caso contrário, fica para escanteio. A culpa não é do técnico que recebeu um time sem condições de disputar duas competições, mas de quem forneceu esse elenco a ele. Renato acertou.

Com Adilson, o time jogava mal, não havia um time titular e os resultados não vinham (a ZR agora é, sim, herança maldita do ex-“técnico”). Ainda assim, haviam torcedores que o defendiam (até mesmo quando da sua saída!!), com a hashtag #TodoApoioAoPezão, no twitter. Que agora criem #TodoApoioAoRenight.

Ora, se um técnico incompetente teve apoio, não compreendo o motivo de Renato ser TÃO contestado. Sem brincadeira, tem gente que critica como se ele fosse o Adilson (em aproveitamento, este foi o pior técnico da história do Brasileirão pelo CAP). É com ele que temos um time que joga futebol (pela primeira vez no ano!). É com ele que temos resultados expressivos. E está ruim com ele? Os torcedores que o criticam torcem contra o time (ou seja, pelas derrotas, pelo Adilsismo, pelo rebaixamento) ou contra o técnico, por orgulho (ao chegar, foi razoavelmente contestado).

Com Renato jogamos no máximo. Vamos escapar do rebaixamento. Ele não faz mágica, mas faz o time jogar futebol na medida do seu (baixo) potencial. Com ele estamos na melhor fase do ano. E está ruim? Discordâncias pontuais são plenamente admissíveis, desde que como críticas construtivas. Tem “torcedor” que considera que tudo o que Renight faz está errado, que o time está ruim. Não seria surpresa uma hashtag #VoltaAdilson (ou, mais adequado, #QueremosPerder). Por enquanto, Renato faz jus ao apoio da torcida, então #TodoApoioAoRenight. Quem é contra, quer a ZR.

Em tempo: o Atletiba será dificílimo, dificuldade agravada com a presença de um árbitro torcedor do adversário. Mas nada está decidido. Com a mesma “entrega” já demonstrada pelos jogadores com Renato (o ápice da vontade no ano), a vitória se torna possível. SRN.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A coisa ta feia! Por Célio

Na noite desta quarta feira presenciamos mais uma “comédia” da nossa situação atual,em função da morosidade da nossa diretoria. Com o time reserva enfrentamos a equipe do Flamengo na nossa querida baixada! Saímos de casa numa noite fria para assistirmos uma partida aonde uma vitória simples nos daria a chance de ir para uma disputa por pênaltis. Mas infelizmente ainda não chegou o dia em que enfrentar um “time da globo”, em que a arbitragem seja imparcial...Com falhas grotescas a arbitragem ajudou a enfeitar a noite em que assistimos o fraco Róbston jogar uma partida horrível ao lado de Fransérgio jogando como atacante! Não precisamos nem tentar adivinhar como foi a melancólica despedida do furacão na copa sul americana! Apesar de termos mais posse de bola boa parte da partida quase TUDO conspirou para mais uma derrota da equipe, que já havia perdido a primeira partida por um mesmo 1x0 e com o gol do mesmo jogador. Disse que “quase” tudo conspirou, porque em meio à tantas tragédias a nossa torcida se mostrou nobre como sempre. Apesar da nossa diretoria nos fazer passar por tamanha humilhação em nossa casa, a torcida incentivou o tempo todo até o fim da partida, mesmo sem nada adiantar! Passado mais este vexame voltamos todas atenções para o campeonato brasileiro, aonde ainda estamos na famigerada zona de rebaixamento. Nossa próxima partida é o clássico atletiba no estádio “Esgouto Pereira” quando precisamos da vitória para continuarmos na luta para sair da ZR e ao menos teremos a equipe titular para tentar vencer os azeitonas. Será mais uma partida em que o rubro-negro dificilmente venha a conseguir uma vitória tendo em vista que eles já saíram na vantagem pois o árbitro escalado para apitar a partida todo atleticano conhece e lembra bem...Héber Roberto Lopes. Sem mais comentários à respeito apenas lembramos que nós Fanaticanos estaremos lá com certeza para apoiar o furacão incondicionalmente para que possamos vencer e sairmos o quanto antes dessa situação! SRN. à todos!

Coxa vai de Héber Roberto Lopes

O Atlético pediu à CBF (Confederação Brasileira de Futebol) a substituição do árbitro Héber Roberto Lopes, escalado para apitar o clássico Atletiba de sábado, às 18h (horário de Brasília), no Estádio Couto Pereira, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.
Com ele em campo, o Coritiba já sai ganhando por 1 x 0...
Todo mundo sabe, que Héber é torcedor do rival e toda vez que apita ATLEtiba, não esconde sua vontade, de ver o time do pinga mijo vencer!

Atlético perde em casa para o Flamengo

Se a classificação do Flamengo para a segunda fase da Copa Sul-Americana tem nome, ela atende por Ronaldinho Gaúcho. Decisivo, o atacante foi autor dos dois gols que derrotaram o Atlético: um de pênalti, no jogo de ida, e outro nesta quarta-feira. Na Arena, o time de Renato Gaúcho teve todas as oportunidades de dominar o placar, mas não foi competente nos arremates e pagou o preço. Derrotado por 1 a 0, o Atlético dá adeus à competição continental e agora retoma as atenções para o Brasileirão. No próximo sábado (27), o Furacão faz o clássico com o Coritiba, no Couto Pereira.

Ronaldinho entrou aos 14 do segundo tempo e não precisou de muito tempo até resolver a partida para o time carioca e quebrar um jejum de vitórias em Curitiba que já durava 37 anos. Aos 28, o jogador aproveitou a cobrança de escanteio e o desvio de Renato Abreu para, isolado dentro da área atleticana, fazer o gol da classificação rubro-negra. Com Branquinho, o meio campo trabalhou bem e até fez com por merecer a vitória na etapa inicial, mas o ataque de Fransérgio e Adaílton não conseguiu furar a defesa do time da Gávea e, mesmo perto da vantagem, terminou desperdiçando a chance de largar na frente.

Antes da entrada de Ronaldinho, o Flamengo pouco fez para atacar e dava pinta de que um empate sem gols bastaria. O Mengo foi espectador das jogadas laterais e dos cruzamentos que o Furacão tentou na etapa inicial e até viu, no segundo tempo, a torcida atleticana entrar em campo, tanto pra empurrar o time quanto pra manifestar a bronca com o apito de Sálvio Espínola. No fim do jogo, o Furacão chegou a arriscar mais e chegar com perigo à meta de Felipe, mas a perspectiva de ter que marcar três gols para tentar se classificar à próxima fase acabou minando qualquer chance real do time que dá adeus à Copa Sul-Americana e concentra todas as suas forças no Campeonato Brasileiro, onde ocupa a 17ª colocação, com 17 pontos.


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Com time misto, Furacão tenta superar o Flá

Em um jogo onde as duas equipes parecem entrar em campo mais pela obrigação do que pela vontade de jogar, o Flamengo visita o Atlético nesta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), na Arena da Baixada, em Curitiba(PR), pelo confronto de volta da segunda fase da Copa Sul-Americana. O foco dos times está todo no Campeonato Brasileiro, ainda mais com o próximo fim de semana reservando clássicos importantes para as duas equipes.
Mesmo mirando a competição nacional, um dos dois times irá se classificar para enfrentar nas oitavas de final o vitorioso do encontro entre Universidad de Chile e Nacional, do Uruguai. Como ganhou no Rio de Janeiro por 1 a 0, o Flamengo pode jogar pelo empate ou até mesmo perder por um gol de diferença caso balance as redes. Já Furacão precisa devolver o 1 a 0 e forçar a disputa de pênaltis ou vencer por dois ou mais gols de vantagem e avançar diretamente

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Só o brasileiro... Dane-se o resto!

Depois de tropeçar em casa, diante do América-MG, lanterna do Brasileiro, o Atlético enfrenta o Flamengo, quarta-feira, na Arena da Baixada.
Reafirmando que a prioridade é o Brasileirão, o técnico Renato Gaúcho avisa que, assim como ocorreu no jogo de ida, no Rio, escalará um time reserva.
Boa atitude do treinador, que percebeu que o foco maior, é o brasileiro. Temos que sair da ZR e tentar algo melhor no segundo turno!
Dane-se o resto!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Atlético vai completo para o clássico

O técnico Renato Gaúcho deve ter todos os jogadores à disposição para o clássico contra o Coritiba no próximo sábado. Nenhum dos atletas que estavam pendurados recebeu o terceiro cartão amarelo e ninguém foi expulso diante do América-MG. O volante Deivid, que cumpriu suspensão na partida de ontem, retorna. Além dele, o zagueiro Fabrício, que ficou de fora por veto do departamento médico, volta a treinar normalmente hoje e é presença garantida no Couto Pereira.

Marcinho diz que falta um atacante

Pedido do técnico Renato Gaúcho desde a sua chegada ao Atlético, a contratação de um centroavante é vista com bons olhos também pelo elenco do Furacão. O meia Marcinho admite que o time está sentido falta de um jogador para colocar a bola para o fundo das redes.

"A gente precisa desse jogador de referência, que preocupa o adversário, que segura dois zagueiros. Tem jogadores dessa posição no mercado, muitos que eu conheço", disse o meia, logo após o empate em 2 a 2 com o América-MG nesse domingo, na Arena.

Marcinho também comentou o resultado em casa, que não foi o esperado pelo Atlético. Para o jogador, o empate na Arena foi consequência de um jogo contra um adversário que veio disposto a arrancar um ponto do time rubro-negro.

"O adversário se fechou, mas às vezes veio para cima, veio para empatar. Tivemos a oportunidade de vencer, mas deixamos escapar. Agora é levantar a cabeça e seguir em frente', completa.


Gosto Amargo - Por Elaine Novak

Bom dia Torcida Mais Linda do Mundo! Um empate com gosto amargo que está difícil de ser digerido embala nossa segunda-feira. O início da partida contra o América Mineiro nos deu a falsa impressão de que viria uma goleada pela frente. Em uma ótima arrancada, Marcinho marcou o primeiro gol logo no primeiro minuto de jogo. O Furacão continuou mandando na partida, e aos 24 minutos, Paulinho (sim, ele acertou um cruzamento) encontra Edigar na medida para marcar o segundo gol! E seguiu tudo perfeito até os 28 minutos iniciais, quando, em um rebote de Renan Rocha, o América descontou! A partir daí, o time começou a se desequilibrar e os erros começaram a aparecer demais. Rafael Santos mais uma vez bateu cabeça na zaga, e nosso Pequeno Gigante Deivid fez muita falta, apesar de Wendel ter sido um dos melhores em campo. Mesmo assim ainda estávamos na frente no placar, era só administrar o resultado e concertar os erros na segunda etapa. Mas não foi isso que aconteceu. O time voltou menos motivado ainda, e o América se aproveitou disso para pressionar. E foi assim que a equipe mineira chegou ao gol de empate aos 27 minutos, onde mais uma vez nossa zaga ficou plantada, e André Dias cabeceou. Depois do gol, o Atlético acordou e foi pra cima do Coelho novamente, mas o goleiro Neneca impediu a mudança do placar. Acho que a entrada de Adaílton foi tardia, o cara é bom, falta recuperar a confiança novamente. Enfim, empate que deixou nossa noite ainda mais gelada.
Temos uma semana importantíssima pela frente, onde na quarta enfrentaremos o Flamengo, precisando de dois gols para seguir na Sul-Americana, e, no sábado o tão esperado ATLEtiba, que faz nosso coração bater mais acelerado desde já! Acredito que, nesse semana iremos até esquecer desse empate amargo!

“Oh Rubro-Negro, eu te digo, nessa campanha estarei sempre contigo, e cantaremos de coração, o tempo todo incentivando o Furacão!”

SRN! Ótima semana! www.twitter.com/@elainenovak


domingo, 21 de agosto de 2011

Chega de contar com a sorte. Por Everton Furtado

O time está crescendo? Sim. O time está se entrosando, tendo mais volume do jogo? Sim. Então porque não joga direito porra. Eu fico loco de ver o time jogar bem e levar fumo, esse empate de hoje teve gosto de derrota, poxa empatar com o América - MG, os caras são lanterna, é brincadeira, com essa palhaçada voltamos para a zona de rebaixamento. A impressão que eu tive é que esperaram os minutos finais, para ver se numa ocasião de pura sorte a bola não sobra no pé de algum jogador a 2 centímetros da linha do gol, para só mandar para dentro e correr para o abraço, vamos acordar meu, nem sempre a sorte estará do nosso lado, temos que correr atrás dos objetivos, semana que vem temos as paquitinhas de Curitola, aí sim eu quero ver. Essa semana tinha que confinar todos os jogadores do Atlético dentro do ct, colar pôsteres e fotos de jogadores do coxa e bater a cabeça dos nossos jogadores na parede aonde colocaram as fotos até que aprendam que eles são nossos rivais, e que no pinicão não tem sorte, ganha quem tem mais raça, bravura, espírito de equipe, se jogarmos como hoje levaremos fumo com certeza, e para lembrar, nós não jogamos mau, mas não estamos na ponta da tabela para fazer dois gols e achar que o jogo tá morto, sem contar que Edgar teve duas oportunidades de fazer um passe que provavelmente resultaria em gol, e fez questão de chutar direto, presta atenção com o estrelismo piá. Levo fé em você Furacão, mas gosto mais quando vence na raça, com sangue escorrendo na cara do que quando ganha na maciota.

O chama gol voltou!

O zagueiro Rafael Santos é a grande arma dos times, que jogam contra o Atlético. Com ele em campo, a zaga fica perdida, e os lances ridículos acontecem.
Mais uma vez, o jogador foi mal, e com lances ridículos e um péssimo posicionamento, fez desse domingo, péssimo para a nação atleticana.
Será que os erros contra o Flamengo, Ceará, Bahia, não foram suficientes para a sua saída do elenco?
Ridículo, essa é a palavra que identifica o futebol de Rafael Santos, o famoso chama gol!!!

Atlético só empata com o lanterna América

Em um início de noite gelado em Curitiba, o Atlético Paranaense tropeçou na Arena da Baixada e, depois de abrir dois gols de diferença, permitiu o empate em 2 a 2 com o América-MG, pelo Campeonato Brasileiro 2011. Com o resultado, o Furacão segue ameaçado pelo fantasma da degola, com 17 pontos, assim como o Coelho, lanterna com 13 pontos.
O Furacão abriu o placar com um gol relâmpago. Marcinho, com apenas um minuto, passou pela defesa e arrematou pra as redes. Aos 24 minutos foi a vez de Edigar Junior marcar mais um na competição. Os mineiros descontaram com Kempes, aproveitando rebote aos 27 minutos. No segundo tempo, Léo de cabeça, aos 27 minutos, deixou tudo igual.
Na próxima rodada, o Atlético Paranaense terá o clássico diante do Coritiba, domingo, no Couto Pereira. Antes, terá o confronto diante do Flamengo, pela Copa Sul-americana. Já o América-MG terá pela frente o Atlético Goianiense, sábado, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.
Foi um péssimo resultado para o Atlético, que vinha numa crescente muito grande no campeonato.

Furacão recebe o América de Minas

Pela primeira vez no Campeonato Brasileiro de 2011 o Furacão pode iniciar uma sequência de jogos fora da zona de rebaixamento, confirmando sua incrível reação dentro da competição. Para isso, terá que fazer a lição de casa diante do América-MG, neste domingo, às 18 horas (de Brasília), na Arena da Baixada. O Coelho vive situação mais delicada, na lanterna da classificação.
O técnico Renato Gaúcho deve ter apenas um desfalque em relação ao time que passou pelo Cruzeiro no meio de semana. O volante Deivid, um dos símbolos da nova fase do Furacão, recebeu o terceiro cartão amarelo e cumpre suspensão automática.
No ataque, 'El Morro' Garcia segue vetado pelo departamento médico, representando mais uma oportunidade para o jovem Edigar Junio mostrar serviço. Porém, mesmo com alguns destaques individuais, o treinador lembra que o aspecto coletivo tem sido o diferencial, com jogadores aplicando aquilo que vem sendo treinado.
"Mostramos nos treinamentos, nas conversas que tenho com eles, mostramos na teoria, no vídeo, e depois vou para o campo", explicou o comandante rubro-negro, justificando a obediência tática dos atletas.
"Quando a minha equipe entra em campo ninguém entra com dúvida. Taticamente são obedientes e estão bem porque cada um cumpre bem o seu papel dentro de campo e sabe o que precisa ser feito", completou.
FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO x AMÉRICA-MG

Local: Arena da Baixada, em Curitiba(PR)
Data: 21 de agosto de 2011, domingo
Horário: 18 horas (de Brasília)
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (FIFA-SP)
Assistentes: Rodrigo Pereira Joia (FIFA-RJ) e Herman Brumel Vani (SP)

ATLÉTICO-: Renan Rocha; Edilson, Manoel, Fabrício e Paulinho; Fransérgio, Kléberson, Cléber Santana e Marcinho; Madson e Edigar Junio
Técnico: Renato Gaúcho

AMÉRICA-MG: Neneca; Gabriel, Micão e Willian Rocha; Marcos Rocha, Dudu, Amaral, Rodriguinho e Gilson; Léo (Kempes) e Alessandro
Técnico: Givanildo Oliveira



sábado, 20 de agosto de 2011

Degrau a degrau, a escada para uma nova fase. Por Aline

Na quarta feira eu acordei com algo tão bom. Um sentimento de que naquele dia, era certeza que a zona de rebaixamento seria deixada para trás, pelo Furacão. E o que tenho a dizer é que valeu a pena: sair correndo do trabalho, faltar aula e passar ''aquele'' sufoquinho básico esperando pelo gol da vitória. Sai da Baixada com a esperança renovada, vendo o time fora da zona de perigo pela primeira vez no campeonato e com aquela identificação de arrepiar, entre time e torcida novamente. Algo mágico!
E vamos degrau por degrau, mostrando a força que temos, unindo clube e torcida, e contando com um bom técnico.Essa crescente que o time teve, nos leva realmente a acreditar que tinha muita coisa errada com os outros técnicos, porque o desempenho mudou da água pro vinho. Em 10 jogos, Renato Gaúcho deu um novo espirito ao time e não podemos relaxar agora, para consolidar esta reação, que eu considero histórica. E amanhã temos mais 3 pontos para conquistar, agora contra o América.
O nosso time tem como desfalque o grande Deivid, que levou o terceiro amarelo e cumpre suspensão. Por um lado, é inquestionável que é ruim, pois o guerreiro marca, corre, se desgata. Coquinho é realmente um leão em campo, o tempo todo. Mais o bom é que ele voltará com tudo para o Atletiba de semana que vem. Não há ninguém que substitua em nível técnico o nosso gigante, mais vamos ver quem Portaluppi escalará. A dúvida fica entre Fransérgio e Róbston. É esperar para ver.
Já no time de Minas Gerais, o jogo é encarado como mais importante desse primeiro turno. O time mineiro melhorou após a chegada do novo técnico, Givanildo. O grande desfalque é o seu artilheiro Alessandro, que foi vetado pelo departamento médico por sentir dores na coxa esquerda. De qualquer forma, olhos bem abertos para que nosso Atlético não deixe escapar a oportunidade de vencer em casa e subir na tabela.
De resto, devemos ter a mesma formação que enfrentou o Cruzeiro, com a entrada de Edigar Junio novamente como titular, o que me agrada muito. Então, fica o alerta para não pensar que porque o time do América está na parte baixa da tabela será um jogo fácil e o pedido de novamente casa lotada e apoio do inicio ao fim. Os tempos ruins vieram e nós estivemos lá, agora a fase está mudando e estaremos novamente, lado ao lado com o nosso grande amor: o Maior Time do Estado! SRN
@AlinneCAP

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

É pra ontem diretoria

Revelado nas categorias de base do Atlético, o goleiro Renan Rocha se firmou de vez como titular da meta rubro-negra com a chegada do técnico Renato Gaúcho. Com boas defesas, o arqueiro tem salvado o Furacão em algumas partidas do Campeonato Brasileiro e já está conversando com a diretoria para renovar seu contrato com o rubro-negro, que vai até julho de 2012.
primeira proposta feita pelo empresário do goleiro não foi aceita pela diretoria do Atlético, mas a negociação segue em andamento e Renan Rocha diz que quer permanecer no clube. "A minha vontade é ficar no Atlético e continuar jogando. Tem coisas encaminhadas já, mas eu não to me preocupando muito com isso. Meu foco é jogar e deixando meu empresário correr atrás disso. Eu só quero saber de jogar e tirar o Atlético dessa situação incômoda", afirmou o camisa 1.

Mais uma boa jogada de Renato

Quando Fransérgio entrou no segundo tempo, na partida contra o Cruzeiro, o estádio inteiro, achou que o atleta, iria jogar de volante ou como zagueiro.
Mas para espanto de todos, Fransérgio ficou no ataque, sendo o homem gol do time.
A substituição demonstrou a dificuldade, assumida pela diretoria rubro-negra, de trazer o camisa 9 pedido pelo técnico Renato Gaúcho. “Quem não tem cão, caça com gato”, resumiu o treinador Renato após o jogo.
Foi uma excelente cutucada de Renato Gaúcho, nessa devagar diretoria atleticana!

El Morro segue no Departamento Médico

Não será contra o América-MG, domingo, na Arena, que o atacante Santiago García voltará a vestir a camisa do Atlético. Segundo Diego Portugal Maziel, um dos médicos do Rubro-Negro, o edema na planta do pé do uruguaio está sendo tratado e a expectativa é de que ele retorne apenas na próxima semana, para o Atletiba, se o tratamento da contusão evoluir como o previsto.
O médico contou que El Morro teve a mesma lesão há cinco meses, quando ainda jogava pelo Nacional de Montevidéu. Ao chegar ao Furacão, em junho, foi feito um trabalho de manutenção, mas depois do confronto com o São Paulo (13/8), o atleta reclamou das dores e foi afastado para fazer tratamento. “Antes ele disse que não estava incomodando, mas agora reclamou que estava difícil até de caminhar”, contou Maziel.
O atacante passará por novos testes para averiguar a gravidade da lesão, mas a tendência é de que não precise ser operado. No entanto, o Atlético alega que todos os exames foram feitos antes da contratação do estrangeiro e que não existe a possibilidade de ser um problema crônico. Sem o uruguaio, Edigar Junio deve continuar como titular no domingo.

Aquele ditado do raio. Por Diogo Rodrigues Manassés

Todos conhecem aquele velho ditado que diz “um raio não cai duas vezes no mesmo lugar”, metáfora que, baseada na física, quer dizer que é impossível acontecerem duas coisas, na sorte, exatamente iguais. Isto é, a sorte não recai exatamente igual por duas vezes.
Será?
No ano passado, o Furacão iniciou péssima campanha, foi melhorando aos poucos graças ao trabalho de um excelente técnico e encerrou o campeonato disputando uma vaga para a Libertadores. Neste ano, boa parte se repetiu: iniciou péssima campanha (ainda pior que no ano passado, até porque o técnico que iniciou o Brasileirão deste ano pelo CAP é pior que o que iniciou no ano passado), está melhorando aos poucos graças ao trabalho de um excelente técnico. A grande questão é: o raio vai cair duas vezes no mesmo lugar? Iremos repetir a encantadora e empolgante campanha de ascensão de 2010?
Sinceramente, acho que o ATLEtiba terá papel fundamental. Com a vitória, a moral da equipe viverá o auge – e certamente o Furacão vai subir muito na tabela nas rodadas seguintes. Com outro resultado, o futuro fica como incógnita (vale lembrar que Renato Gaúcho não é forte, como técnico, em clássicos).
Mas, antes, a vitória contra o América-MG é imprescindível. O caminho para o raio cair duas vezes no mesmo lugar ainda está sendo trilhado, há muito o que percorrer. Fiquemos na torcida. SRN.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Recordar é viver



O melhor narrador que já tivémos!!!

Seguindo em frente... Por Cadu

Olá maior torcida do estado. Em uma quinta-feira de chuva, Curitiba amanheceu mais atleticana do que nunca.
Depois de uma longa estadia na zona do capeta, estamos enfim respirando!
Vendo o Atlético de hoje e o do início do certame nacional, fico horrorizado com tanta falta de competência, dos treinadores que estiveram no comando do Furacão.
Na minha humilde opinião, quem acabou com o Atlético foi o atleticano Adílson Batista, que tentou adotar uma filosofia de retranca, o que nos custou somar apenas 1 ponto.
Jogos ridículos, jogadores de cabeça baixa, enfim, o Atlético estava morto.
O Atlético estava acabado, mas mossa torcida pegou mais uma vez a causa e com muita raça, jamais desistiu.
Eram sempre, mais de 12 mil por partida, mesmo com o time dando vexame.
Revolta? Sim, tivemos! Mas nunca deixamos de apoiar o Atlético. Pois nossa torcida sabe, que o Atlético, sempre tem uma carta na manga!
Fico feliz, em ver o time jogando bem, com jogadores concentrados, com um treinador arrojado e determinado, enfim, ontem mais uma vez me emocionei com mais uma vitória do Furacão e com nossa apaixonada torcida.
Renato, levantou o grupo, mostrou que um time unido, faz a diferença!
E como diz aquela linda frase da torcida fanaticana…
O ATLÉTICO NOS UNE - A UNIÃO NOS FORTALECE!
Nesse pensamento, seguimos em frente!


Desempenho dos jogadores. Por Diogo Rodrigues Manassés

Em um espetáculo fraco, prevaleceu a raça: mesmo mal tecnicamente, o Furacão venceu o Cruzeiro, time que, apesar de melhor tecnicamente, estava mal taticamente. Mais uma vez, a entrega exigida pelo técnico atleticano foi o diferencial. A vitória do Furacão foi pelo placar de 2x1, gols de Marcinho e Cléber Santana. Confira a análise do desempenho individual dos jogadores:

  • Renan Rocha: Foi um dos melhores jogadores em campo. Fez excelentes defesas, com simplicidade e eficiência. Não falhou no gol marcado pelo adversário. NOTA: 8,5.
  • Fabrício: Não fez sua melhor partida, mas não foi mal. Salvou uma bola em que Renan já estava fora do lance. NOTA: 7,0.
  • Manoel: Um pouco melhor que Fabrício, seguro e veloz. No início do jogo, duas vezes tentou fazer gol. NOTA: 7,5.
  • Edílson: Falhou no lance do gol adversário, pois era ele quem marcava o jogador que acabou fazendo o gol (contudo, a falha foi geral, tendo em vista que a zaga estava mal posicionada). Mas acertou o cruzamento (provavelmente – pasmem – o único cruzamento certo, feito por um lateral, na partida inteira) que resultou no primeiro gol da partida. Bem no primeiro tempo, cansou no segundo. NOTA: 7,5.
  • Paulinho: Errou na imensa maioria das vezes em que participou. Não acertou cruzamentos, errou passes... mas foi importante taticamente, no primeiro tempo, as jogadas ofensivas foram pelo seu lado (por outro lado, infrutíferas, pois o gol foi pelo outro lado). No segundo tempo ficou mais preso (suponho, por ordem do técnico), pois, no primeiro, seu lado foi uma avenida (inclusive para o gol do adversário). NOTA: 3,0.
  • Deivid: Marcar um jogador na partida era pouco para o gigante. Marcou vários, competentemente. Montillo só entrou em campo, não conseguiu jogar nada. NOTA: 10,0.
  • Kléberson: O jogador que só é importante taticamente mais uma vez não fez uma grande partida. Possivelmente foi o jogador que mais errou passes pelo Furacão. No primeiro tempo foi peça importante como fator surpresa no ataque, no segundo, sumiu e ficou apenas na marcação. Destacou-se em um lance em que tirou muito bem a bola de Montillo, de modo limpo. NOTA: 6,0.
  • Cléber Santana: Omisso boa parte da partida. Não errou passes, mas participou pouco, ao contrário do que fazia nas outras partidas, não “chamou o jogo”. Por outro lado, foi o autor do gol que garantiu os três pontos, não merecendo nota ruim. NOTA: 8,0.
  • Marcinho: Voluntarioso, com alguns erros básicos. Ainda assim, sua identificação com o Furacão é notável, sua alegria ao marcar o primeiro gol da partida foi explícita e o amor com o qual ele veste a camisa rubro-negra dá orgulho de ver. Tecnicamente não fez a sua melhor exibição – apesar do gol –, mas a raça que apresentou foi inigualável. NOTA: 9,0.
  • Madson: O de sempre: “fominha”, bom driblador, com velocidade, com vontade e com muitos erros. NOTA: 7,0.
  • Edigar Junio: Apesar de não ter feito gol, foi importante peça ofensiva e apareceu muito bem. NOTA: 8,0.
  • Wagner Diniz: Irritou a torcida por prender a bola, mas foi fundamental para a vitória: foi um dos responsáveis pela expulsão de um jogador adversário e foi dele o passe do gol de Santana. Em termos de resultado, foi ótimo. NOTA: 8,0.
  • Adaílton: Destrambelhado, mas ajudou o time a atacar. NOTA: 6,0.
  • Fransérgio: Outro que teve importância tática, pois entrou improvisado como centroavante. E não foi mal. Foi uma improvisação estranha, mas deu certo. Fransérgio tem bom porte e mostrou que sabe cabecear bem. Jogou pouco para receber nota.
  • Renato Portaluppi: Finalmente conseguiu tirar o Furacão da Zona de Rebaixamento. A melhora é indiscutível, apesar de, nesta partida, o time não ter ido tão bem. Sem falsa modéstia, Renato diz “o aproveitamento comigo é de time que briga pelo título”. Contra o Cruzeiro, mais uma vez, o técnico foi feliz: colocou um jogador (Diniz) que foi fundamental na partida (sem contar o cansaço do Edílson). Acertou também nas outras substituições, colocando Adaílton no lugar de Kléberson para o “abafa” dos minutos restantes e foi correto ao colocar Fransérgio, apesar da improvisação. Poder-se-ia questionar que Adaílton entrou sem posicionamento definido. A ideia (suponho) era justamente essa. A tática ficou de lado, restando a raça, que sempre foi e sempre será o diferencial atleticano. A entrada de Fransérgio como centroavante justifica-se de duas maneiras: foi uma forma de pressão em relação à diretoria, evidenciando a falta de jogadores para a posição, além disso, colocou um jogador que já mostrou condições mínimas de figurar nessa posição, principalmente para “prender” os zagueiros. Enfim, Renato acertou nas substituições e foi graças ao “dedo do técnico”, aliado à força de vontade do grupo, que conseguimos os três pontos. E que assim continue. NOTA: 10,0.

O Furacão voltou! Por Célio

Na noite desta quarta feira pudemos presenciar mais uma bela apresentação da equipe atleticana! Vitória com V maiúsculo, pois vencemos a forte equipe do Cruzeiro. Numa partida aonde a entrega dos jogadores era visível! Todos unidos num só objetivo que era tirar a equipe da zona de rebaixamento. Nas últimas partidas, frente a equipe do São Paulo e também contra à equipe do Corinthians quando empatamos de forma dramática, merecíamos a vitória. Antes disso já havíamos vencido com um placar “elástico” a equipe do Atlético-GO, além da “estrelada” equipe do Santos. A crescente melhora da equipe rubro-negra é visível após a chegada do técnico Renato Gaúcho. Ele conseguiu revigorar a alegria da equipe que tão logo começou a apresentar um futebol bem mais produtivo! O apoio da nossa maravilhosa torcida também tem sido determinante para ajudar a equipe. Visto que na noite desta quarta feira após o término da partida, ainda com a presença da torcida comemorando muito, vários jogadores foram comemorar com a torcida retribuindo o apoio e carinho que tiveram durante todo o jogo! Para quem esteve lá presente a sensação era de êxtase total tamanha era a alegria de saber que aquela partida vencida de forma tão insistente e difícil, estava nos colocando pela primeira vez no ano fora da maldita zona de rebaixamento! Assistir os torcedores do estádio inteiro cantando Dá-lhe ôoo foi simplesmente de emocionar! Essa torcida merece que a equipe não deixe de orgulhá-los com bons resultados fazendo com que o Caldeirão volte a ferver a cada partida...mostrando que o FURACÃO realmente voltou! SRN. à todos!

Valeu Renato Gaúcho

Dos últimos 15 pontos disputados, ganhamos 11.
Já estamos há 5 jogos sem perder!
A humildade é a chave do sucesso!
Nunca duvide do time da Baixada, pois a camisa rubro-negra, só se veste por amor!
Valeu Atlético! Valeu Renato!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Capitão decisivo!

Cleber Santana já está ficando acostumado a decidir. Se a apresentação diante do Cruzeiro não lembrava as grandes atuações que o volante tem feito, o gol salvador aos 44 do segundo tempo tratou de apagar qualquer vestígio de crítica à postura do capitão. "Tivemos bastante dificuldades contra uma grande equipe. Estamos de parabéns. A torcida dispensa comentários, esteve até o fim nos apoiando", apontou o jogador, que assumiu a artilharia do Furacão, com três gols marcados
Com um a menos desde os 23 do segundo tempo, o Rubro-negro jogou na perseverança e colocou pressão pra cima do time de Joel Santana. No jogo franco, Wagner Diniz que tinha entrado na etapa complementar cruzou para Santana confirmar a quarta vitória do Atlético no Brasileiro. "Estava difícil. Graças ao bom Deus, por ter insistido, foi importante sair com os três pontos", contou o capitão.

Furacão arranca vitória sobre Cruzeiro no final da partida

No finalzinho do jogo, no sufoco, o Atlético Paranaense arrancou uma vitória de 2 a 1 sobre o Cruzeiro, pelo Campeonato Brasileiro 2011. O resultado deixa o time rubro-negro pela primeira vez com chance de deixar a zona de rebaixamento na rodada, ou pelo menos com um pé fora dela, com 16 pontos. Os mineiros, com 21 pontos, ficam mais distantes dos líderes da competição.
O Furacão precisou de 30 minutos para colocar um pouco de emoção na partia e abrir o placar, com Marcinho, que aproveitou cruzamento e um escorregão do goleiro Fábio para desviar de cabeça para aa redes. Quatro minutos depois, no entanto, Wellington Paulista testou firme para deixar tudo igual.No segundo tempo, já os 44 minutos, Cléber Santana, na pressão, decretou a vitória.
Na próxima rodada, o Atlético Paranaense enfrenta o América Mineiro, no domingo, na Arena da Baixada, em Curitiba.
Certeza é uma só: O CALDEIRÃO VAI FERVER NO DOMINGO!!! VALEU FURACÃO...

Furacão encara o Cruzeiro, só pensando na vitória

Ainda lutando para deixar a zona de rebaixamento do Brasileiro 2011, o Atlético Paranaense enfrenta o Cruzeiro nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), na Arena da Baixada. O Furacão promete receber a Raposa com um gramado em melhores condições.
O técnico Renato Gaúcho terá as voltas dos volantes Kleberson e Cleber Santana, que estavam suspensos na última rodadam, assim como do lateral-direito Wagner Diniz, que não enfrentou o São Paulo por questões contratuais. No entanto, este deve ficar apenas como opção no banco de reservas. Já o meia Branquinho e o atacante Rodriguinho, recuperados de lesão, também podem reaparecer, mas dependem de um aval dos médicos e preparadores físicos. Por enquanto, o volante Paulo Roberto, o meia Paulo Baier e atacante Nieto seguem sem condições.
A maior novidade deve aparecer no ataque. O uruguaio Santiago El Morro Garcia não conseguiu ainda convencer a torcida e já deixa até mesmo a comissão técnica em estado de atenção. A própria diretoria rubro-negra começa a se preocupar com o custo/beneficio do jogador, uma das contratações mais caras da história do clube. Em seu lugar, o jovem Edigar Junio ganha espaço e está cotado para começar jogando.
O Furacão entra em campo com: Renan Rocha; Edilson, Manoel, Fabrício e Paulinho; Deivid, Kléberson, CLéber Santana e Marcinho; Madson e Morro García (Edigar Junior)

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Na arrancada, Furacão faz campanha idêntica à do líder Corinthians

Atlético Paranaense e Corinthians vivem realidades bem diferentes no Campeonato Brasileiro. No campo dos números, porém, fazem campanhas absolutamente idênticas, pelo menos na análise das últimas cinco rodadas do Nacional. Desde a 12ª rodada, foram duas vitórias, dois empates e uma derrota para cada lado. Oito pontos somados e 53,3% de aproveitamento: números que colocariam o Rubro-negro entre o quarto e quinto colocado na tabela do Brasileirão, não fosse o início trágico e as seguidas derrotas que o time sofreu.

Na contagem de gols, o Rubro-negro supera o Timão, já que balançou as redes 13 vezes nos últimos cinco jogos, enquanto o clube paulista marcou oito vezes. Se na matemática o Furacão faz uma campanha digna de Libertadores, na tabela a realidade ainda não é muito animadora. O líder do Brasileiro tem dez vitórias e 34 pontos conquistados enquanto o Atlético amarga a incômoda zona de rebaixamento desde que iniciou o campeonato, somando 13 pontos.

A qualidade dos adversários era outro obstáculo a se superar, como ressaltou o técnico Renato Gaúcho. Mesmo assim, o time conseguiu se sair bem nos desafios mais complicados e bateu o Santos e o Atlético-GO, rival direto na parte de baixo da classificação. Nos empates com Corinthians e São Paulo, mesmo com grande chance de vencer, os resultados foram comemorados; a única derrota foi para o Ceará, com direito ao gol do Vozão já nos acréscimos. Resultados que compõem uma série invicta que já dura quatro partidas.

Enquanto isso, o líder do campeonato venceu o Internacional e o América, empatou com o Furacão e com o Ceará, e acabou derrotado pelo Avaí, na Ressacada. Na próxima rodada, o Timão enfrenta o Atlético Mineiro em Minas Gerais e o Atlético recebe o Cruzeiro de Joel Santana na Arena da Baixada.

"Estamos em um bom momento, em que nós trabalhamos bastante para chegar em uma situação como essa", aponta o meia Kléberson, livre para atuar diante do Cruzeiro nesta quarta-feira (17). "Mas a gente sabe que a situação ainda não é boa. Precisamos seguir nessa série invicta para sair dessa situação. O caminho tá sendo bem feito", avalia.


Torcida medíocre

Oito torcedores do Coritiba foram presos em flagrante pela Guarda Municipal de São José dos Pinhais acusados de depredarem dois ônibus, espancar dois motoristas e um torcedor do Atlético Paranaense que encontraram na rua. Um dos motoristas agredidos teve os olhos atingidos por estilhaços de vidro e passa por uma cirurgia ontem de manhã e o torcedor do Atlético que foi atendido no hospital da cidade. Os atos de vandalismo e a pancadaria aconteceram na tarde de domingo (14), antes do jogo entre Coritiba e Atlético Mineiro.
Segundo informações levantadas pela Banda B na delegacia de São José dos Pinhais, Diego Rodrigues Araújo, Rogerson Nicolas Carvalho, Maicon César Santos Sambá, Guilherme Felipe Mafra, Tiago Lemos Batista, Rafael Luiz Leite, Robson de Almeida e Paulo Henrique Rebeca (com idades entre 18 e 22 anos) foram para o ponto final do ônibus da linha Quississana no início da tarde e ficaram irritados quando o motorista Odivani Nogueira Farias disse que só iria sair do ponto no horário pré-determinado. Ele estava pronto para trocar de turno com o motorista Carlos Lopes Aleixo, que iria assumir o coletivo. Com a negativa e a pressa de chegar no Couto Pereira, os torcedores começaram a espancar os dois motoristas. A mulher e o filho de 3 anos de Farias, que o aguardavam para o almoço do Dia dos Pais, viram toda a agressão.
Farias foi levado para o hospital com estilhaços de vidro do ônibus depredado, ao lado de Aleixo que teve várias escoriações.
Os agressores fugiram e conseguiram pegar outro ônibus até o Terminal do aeroporto Afonso Pena. Lá, pegaram um novo coletivo com destino ao terminal do Boqueirão. No caminho, avistaram dois jovens caminhando pela Avenida das Américas. Um deles estava com o boné da torcida organizada "Os Fanáticos". Os torcedores do Coritiba obrigaram o motorista a parar e foram para cima dos rapazes. Jaime Geraldo Loureiro, de 17 anos, foi espancado até desmaiar. Ele levou chutes e pontapés em várias partes do corpo, inclusive na cabeça. O colega ficou ferido com menor gravidade.
Alertados por moradores e pela empresa de ônibus, guardas municipais de São José dos Pinhais conseguiram prender o grupo em flagrante, ainda na rua.
Os agressores foram encaminhados para a delegacia de São José dos Pinhais onde permanecem presos. O torcedor foi levado para o hospital desacordado, mas já está fora de perigo.

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

O Atlético com nova cara - Por Elaine Novak

Fala Torcida mais linda do Mundo! Recebi o empate de sábado com um gosto bem amargo! Estava tão perto de uma vitória tão importante! Detalhes fizeram a diferença novamente. Aquela bola sem vergonha que cruzou toda nossa pequena área deveria ter sido cortada. Mas... Fizemos um ótimo primeiro tempo, onde ficou claro que Renato Gaúcho está realmente conseguindo mudar a postura do time. Jogamos de igual pra igual fora de casa, o que não acontecia quando estávamos sob o comando de outros treinadores. Estamos progredindo, isto é certo. O problema é que os resultados das primeiras rodadas nos prejudicaram muito, os pontos perdidos estão fazendo muita falta, mas hoje em dia temos uma equipe competitiva, e eu comemoro isso! Ainda acredito no “El Morro”, mas infelizmente ele apresenta alguns erros de fundamento, o que deve ser trabalhado. Nosso Pequeno Gigante Deivid mais uma vez jogou tudo e mais um pouco. Fransérgio, apesar de indesejado pela torcida, não comprometeu e Edgar Junio está provando cada vez que entra que merece uma chance. Enfim, o entrosamento está acontecendo, hoje somos uma equipe, aquela apatia foi embora, e deve-se isso ao Renato. Empatamos com o líder e o terceiro da tabela, e poderíamos ter ganhado dos dois, não fossem as inúmeras chances perdidas! Perdemos muitos gols nesses últimos jogos, e isso fez a diferença. O importante é que estamos subindo, e em recuperação, e agora temos 3 jogos importantíssimos em casa. Temos tudo pra sair dessa incômoda ZR e começar o segundo turno com a alma renovada, como se fosse outro campeonato! Nossas esperanças renasceram, aquela vibração na baixada voltou, o clima é outro! Temos 3 jogos seguidos em casa, poderemos curtir nosso amor de pertinho! SRN! @elainenovak

Fransérgio ganha confiança do treinador

Autor do primeiro gol do Atlético no empate de ontem em 2 a 2 com o São Paulo, o volante Fransérgio marcou seu primeiro tento na equipe profissional do Furacão. Revelado nas categorias de base do rubro-negro, o atleta já fez 38 partidas pelo time principal do Atlético. Sua estreia no profissional foi em 2009.
O jogador está ganhando a confiança do treinador atleticano, que já pensa em sua escalação na quarta-feira.

domingo, 14 de agosto de 2011

Acabou as desculpas. Por Everton Furtado

Bem falta poucos jogos para o fim do 1° turno, os jogos irão ser em Curitiba, então não temos mais desculpas para dar, ou encerramos a primeira fase fora da zona de rebaixamento, ou iremos continuar na batalha e no sofrimento para saltar do z4 na fase final. Acredito sim na recuperação ainda nesta fase, pois o time melhorou drasticamente, a única coisa que temos que mudar que dura desde os tempos da brilhantina, é o famoso apagão dos 10 minutos finais, Renato, dê uma atenção nisso, como pode um time apagar no final do jogo quando tem que aprender a segurar o resultado, é incrível, por isso confiamos em você, mas enfim, são três jogos para mudarmos a nossa situação. Malucelli, por favor, é sabido que no final do ano você cai, você deve ter olhado a tabela, acredito que pelo menos isso você fez, olhou contra quem jogamos no final do turno né? Então por favor não queria perder mais um atletiba para constar no seu currículo mais uma derrota nos clássicos, ofereça um extra para os jogadores, para o Renato, para os gandulas, até para o bolinha se for preciso, mas faça alguma coisa, e por favor, que não me perca mais um clássico para o terceiro do estado, e finalizando, veja se não vai fazer a cagada de vender o Deivid a preço de banana, pois a dupla grenal já está de olho nele, ouvi que estão sondando o pequeno gigante por aqui, então não faça nada nessa área, conhecemos o quão bom é nesse departamento, como exemplo disso temos a compra de El Morro, deixa o Petraglia voltar que ele assume esses assuntos e ele vai saber o que fazer.

E lá se foram 8 milhões...

Mais uma vez, a contratação de 8 milhões de Malucelli, deu vexame com a camisa atleticana.
Morro García, na partida de ontem, correu, correu, correu e nada.
Perdeu um gol incrível e fez muitas faltas.
Só tem um coisa que atrapalha o El Morro: A BOLA!!!

sábado, 13 de agosto de 2011

Deixa para a(s) próxima(s). Por Aline

O empate em 2x2 com o São paulo no morumbi, em um contexto geral foi um bom resultado. Porém, novamente pelos mesmos fatores, deixamos escapar uma vitória. Primeiro fator: o descuido no apagar das luzes. Tomar um gol aos 45 minutos do segundo tempo, em um jogo em que fomos superiores o tempo todo, é coisa de time que ainda não aprendeu a administrar e segurar o jogo. Segundo fator: a ineficiência em definir jogadas e marcar gols. Mas, a solução para isso pode estar nos pratas da casa, como o grande garoto Edigar Junio, que entrou e fez mais que El Morro no tempo inteiro que jogou. E não digo isso só porque ele fez o segundo gol hoje, mais porque acredito no potencial dele. (Antes mesmo do gol, eu disse em meu twitter que ainda ouviriamos falar muito no nome do jovem atacante). Fica a expectativa para que El Morro desencante e desempenhe o futebol que nos levou a contratá-lo a peso de ouro. Do contrário, fica a lição para que olhem e valorizem mais nossos garotos, que a solução pode ser mais barata do que se pensa.
De resto, o jogo foi melhor para nós, do que eu imaginava. Sem contar com o grande Cléber Santana e Kléberson, Renato Portaluppi teve que recompor o meio de campo. Entraram Fransérgio e Róbston para substituir os desfalques e por incrível que pareça, foram bem. Eu, particularmente, pego muito no pé dos dois, mais hoje admito que ''queimei a língua''. Marcinho, Deivid e até o Paulinho, foram bem hoje. O que faltou mesmo, foi precisão no ataque e sorte. A ascensão do Atlético é evidente. Sairemos dessa situação em breve.
Agora, temos três partidas seguidas em casa. Duas pelo Campeonato Brasileiro (contra Cruzeiro e América, respectivamente) e a partida de volta contra o Flamengo, pela Sul americana. São situações bem diferentes nos dois campeonatos, mais é necessário vencer todas as partidas. Há que pese serão times diferentes que jogarão, a torcida será o grande incentivo para buscar os resultados. A prioridade com certeza é o Campeonato nacional, mais quem sabe, não conseguimos nos afastar da zona de rebaixamento e ainda passar de fase na Sul americana? Raça ao time, coração à nós e mais sorte nas partidas que estão por vir.
Saudações Rubro negras!


Jogadores lamentam o empate no final

Continuando a sua luta para deixar as últimas colocações do Campeonato Brasileiro, o Atlético empatou por 2 a 2 com o São Paulo na noite deste sábado, no Morumbi. O resultado, no entanto, não satisfez os jogadores do Furacão, já que a equipe vencia por 2 a 1 até os 45 minutos do segundo tempo, quando Rivaldo anotou o gol que definiu o placar final.
"Fica um gosto amargo para nós. A gente jogou melhor o jogo inteiro, tivemos mais oportunidades e merecíamos a vitória", analisou Manoel, que destacou o desempenho da equipe sob o comando de Renato Gaúcho.
"A gente está crescendo a cada jogo, evoluindo na marcação e na finalização. Com certeza vamos sair dessa zona de rebaixamento", afirmou o defensor, que foi seguido por Paulinho.
"O Renato chegou e nos deu muita confiança. Temos que continuar trabalhando forte para sair o mais rápido possível dessa situação incômoda", completou o lateral esquerdo.
Com o resultado deste sábado o Atlético foi aos 13 pontos e ultrapassou o Avaí na tabela de classificação, já que possui maior saldo de gols que os catarinenses. A equipe, no entanto, segue na zona de rebaixamento, agora na 18ª posição. Na próxima quarta-feira o Furacão volta a campo para enfrentar o Cruzeiro, às 19h30 (de Brasília), na Arena da Baixada.


Atlético empata no Morumbi

Os quase 24 mil torcedores que foram ao Morumbi na esperança de sair do estádio comemorando a liderança do Campeonato Brasileiro terminaram o jogo pedindo para o time "jogar bola", ter raça e vaiava, vendo o Furacão assustar o tricolor.
Por pouco o Atlético não ganhou do São Paulo em pleno Morumbi neste sábado (13). O Furacão estava vencendo até os 45 minutos do segundo tempo, quando Rivaldo empatou o jogo. Com o 2 a 2, o Rubro-Negro subiu uma posição na classificação do Brasileiro, mas ainda se mantém na zona de rebaixamento, na 18ª colocação.
O começo do confronto foi favorável aos atleticanos. Quando era possível esperar que o São Paulo dominaria o jogo por jogar em casa, o Atlético surpreendeu e abriu o placar aos 20 minutos. Após falta cobrada por Edilson, Fransérgio cabeceou para o fundo da rede.
Mas o Furacão não teve muito tempo para comemorar. Quatro minutos depois, Ilsinho passou pelo mesmo Fransérgio e chutou forte de fora da área, empatando o confronto com um belo gol.
Mesmo assim, a equipe curitibana não se abateu e só não marcou novamente ainda na etapa inicial pela falta de qualidade de Santiago García. “Tem que caprichar lá na frente. Depois estoura atrás e daí quem joga aqui não presta, não tem condição de vestir a camisa do Atlético”, reclamou Róbston na saída para o intervalo.
No segundo tempo a equipe da casa foi para cima em busca da virada, mas esbarrava sempre na zaga rubro-negra e no goleiro Renan Rocha. Até bola na trave o atacante Dagoberto conseguiu.
Mas o técnico Renato Gaúcho mais uma vez percebeu que com El Morro a vitória não viria e colocou Edigar Junio em campo. Aos 32 minutos, após passar por dois defensores, a revelação atleticana fez o gol que colocou o Furacão novamente na frente.
Quando parecia garantida a vitória contra o São Paulo no Morumbi, após 28 anos da última vez que isso aconteceu, Rivaldo empatou aos 45 minutos. O meia tinha começado a partida no banco de reservas por opção do técnico Adilson Batista. Empate que poderia ser considerado bom para os visitantes se não fosse a sensação de que a vitória escapou por pouco.

Furacão encara o São Paulo no Morumbi

O Furacão, com um time muito desfalcado, encara o São Paulo logo mais as 18h30 (de Brasília) deste sábado.
Mesmo em penúltimo lugar, o rubro-negro tem conseguido apresentar um bom futebol nas últimas rodadas e vem se recuperando na competição. Porém, a tabela foi ingrata com o Rubro-negro, colocando em sequência partidas difíceis que impediram sua saída da zona de rebaixamento, mesmo com todos os esforços mostrados pelo grupo.
No meio de semana, o técnico Renato Gaúcho poupou o time titular do confronto pela Copa Sul-americana, diante do Flamengo. Ainda assim, desfalques é que não faltam para o comandante atleticano montar a equipe.
Os volantes Kleberson e Cleber Santana, titulares absolutos, cumprem suspensão automática. Os meias Branquinho e Paulo Baier, os atacantes Nieto e Rodriguinho e o volante Paulo Roberto, seguem vetados pelo departamento médico, enquanto o lateral direito Wagner Diniz não pode enfrentar o Tricolor por questões contratuais.
O treinador quebra a cabeça para formar a equipe e só vai divulgar a escalação momentos antes da partida. Ainda assim pondera, sabendo que não são muitas alternativas que tem no elenco para estudar. "Com um elenco reduzido, perder tantos jogadores no mesmo setor é complicado, mas não adianta lamentar", afirmou.
FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO X ATLÉTICO-PR
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo (SP) 

Data: 13 de agosto de 2011, sábado

Horário: 18h30 (de Brasília)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (Fifa-MG) 

Assistentes: Guilherme Dias Camilo (MG) e Cleriston Clay Barreto Rios (SE)
SÃO PAULO: Rogério Ceni; Piris, Zé Vitor (Rhodolfo ou Denilson), João Filipe e Juan; Denilson (Jean), Wellington, Cícero e Rivaldo; Lucas e Dagoberto
Técnico: Adilson Batista
ATLÉTICO: Renan Rocha; Edilson, Manoel, Fabrício e Paulinho; Deivid, Wendel (Renan), Robston (Fransergio) e Marcinho; Madson e Morro García
Técnico: Renato Gaúcho


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Antes de enfrentar ex-clube, Adilson se diz torcedor do Furacão

Adilson Batista terá pela frente às 18h30 (de Brasília) deste sábado, no Morumbi, seu último clube antes de assumir o São Paulo: o Atlético-PR, terceira equipe que deixou em menos de um ano por conta de maus resultados. Mas o treinador, em vez de mostrar tristeza, declara amor ao time que o revelou como zagueiro há 25 anos.
"Aqui está sempre uma atleticano, que respeita, gosta e tem consideração pelo clube que me abriu as portas desse mundo maravilhoso do futebol. Sou torcedor, sócio, tenho cadeira lá", contou o comandante. "Mas hoje estou no São Paulo e preciso lutar pela liderança do Campeonato Brasileiro", completou, para evitar problemas.
O técnico, entretanto, não esconde o carinho pelo Furacão. Nascido em Adrianópolis, no interior do Paraná, Adilson virou jogador profissional em 1986 pela equipe da Arena da Baixada e, de lá, chegou até à seleção brasileira. A passagem como técnico, porém, durou dois meses.
Em 14 jogos no comando do Rubro-negro de Curitiba, o treinador venceu quatro, empatou quatro e perdeu seis, deixando o time após ser derrotado em cinco das seis primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro. Mas ele aponta fatos políticos, além dos resultados, como justificativa.
"Recebi o convite no domingo à noite, e na segunda-feira, depois de outra reunião, aceitei mais em função do Valmor Zimermann, que foi meu presidente [quando ele foi revelado como zagueiro] e era diretor de futebol. Na sua saída, quase que sai junto e conversei lá, mas o Atlético-PR estava vivenciando os jogos da Copa do Brasil", lembrou.
A troca na diretoria ocorreu exatamente entre os dois compromissos pelas quartas de final da Copa do Brasil, contra o Vasco, que se classificou no desempate dos gols fora de casa - empatou por 2 a 2 no Paraná e 1 a 1 em São Januário. Depois disso, contudo, Adilson esteve à frente da péssima campanha sem derrota nas seis primeiras rodadas do Brasileiro.
"É futebol. Tentei dar padrão, melhorar o time e não consegui. Não vou ficar reclamando de contratações, disso e daquilo", afirmou o treinador, desconfortável em relembrar os problemas que acarretaram no fim de sua passagem pelo clube que diz ser o do seu coração - embora também admita publicamente carinho pelo Grêmio, equipe em que foi o capitão na conquista da Libertadores de 1995.