quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Negócios, Sempre Negócios. Por Mickel Baptista

Eu sei! Eu sei que metade dos nossos leitores, depois desse post vai querer me matar. E é uma grande sorte minha morar no Rio, senão sairiam em minha caça em plena Curitiba.
Foi uma semana corrida, com resultados interessantes dentro de campo. Seria até, de certa forma repetitiva, estar aqui falando dos bons jogos que fizemos. Aliás até com chance de vitória diante do Cruzeiro, em plena Arena do Jacaré. Destaque para o nosso goleiro de Seleção. Que nos será um grande desfalque no próximo jogo – na Arena, contra o Vashxcu.
Mas, o que chamou a atenção de todos nós, torcedores do Furacão nos últimos dias tem sido a saída do nosso antigo treinador – Paulo Cesar Carpegiani. Alguém aqui se recorda que a saída de Antônio Lopes fez o mesmo barulho?! Ou se não foi o mesmo, foi muito semelhante...
Embora muitos achem que vou tomar apenas partido do Carpa venho aqui colocar que todos tiveram “culpa”. Clubes (CAP e SPFC) e treinador.
Como clube. Assim como qualquer empresa, a regra é muito simples: uma baixa requer uma contratação. Não importa como essa baixa ocorre, uma contratação a altura é necessária para o ritmo de trabalho continuar sem causar impactos negativos, mudando as métricas do resultados. Isso eu aprendi num curso de Técnicas Gerencias, na faculdade.
Como treinador / profissional, a missão sempre é fazer o seu trabalho dentro da estrutura que lhe é oferecida, o melhor possível. E isso aconteceu! Ou alguém discorda que o treinador fez o todo possível para alcançarmos o objetivo (seja ele qual for...)?
Durante todo esse embate, dentro da própria torcida atleticana, tentei pegar algumas linhas de raciocínio para poder gerar uma opinião fria – muito embora isso não seja um retrato da maioria das minhas reações como torcedor! Mas, se é pra dar culpa a alguém... Que eu coloque a culpa na(s) pessoa(s) certa (s)!
A um pouco mais de um mês quando surgiram as primeiras especulações a respeito da permanência dele, ele disse em “caixa alta”: “Fico até cinco de dezembro e depois vou descansar!” – Acho que o ÚNICO ERRO do Professor Pardal foi esse! Se ele fica calado, ou se mantém até um clima de indecisão, isso nos colocaria na condição de que ele poderia aceitar um contrato a qualquer momento, de qualquer clube (e não eram poucos os que corriam atrás dele!). Porém diante dessa confirmação, torcedores ficaram sossegados.
Mas, segundo a própria diretoria atleticana, ao contrário do que muitos imaginavam, foi comunicada pelo treinador e aceitou a argumentação de Carpegiani, liberando – o a negociar com o SPFC. Ele cumpriu o aviso prévio dele e meteu o pé!
Muitos apontam que a culpa é do time paulista, por não ter sido ético. Na boa! O São Paulo não vai arrastar o bumbum no asfalto por causa disso. E nem a gente deve fazer o mesmo, já que não foi uma, nem duas vezes que fizemos a mesma coisa – assim como o Grêmio, Flamengo, Palmeiras, Seleção Brasileira... Todo mundo faz! Não devemos confundir propostas interessantes com inversão de valores. Conforme cita o repórter Ilan House, em seu blog falando a respeito do assunto no globo.com.
O que fazer? Não temos um planejamento? É colocar ele em prática chamando um treinador decente, que atenda as expectativas e que mantenha os resultados (já que estávamos satisfeitos – ou quase – com quem estava antes!).
O Furacão, nem sua torcida tem que se abater! Somos grandes e muito maior que qualquer treinador, proposta irrecusável e tudo mais.
Como vamos exibir isso?! Resultados! Não temos outro caminho!
Amanhã, na prática, correremos os 90 minutos e mostraremos a todos que estamos vivos, muito vivos!
Afinal, negócios sempre serão negócios.
E o Furacão sempre será o nosso Furacão
Por Deus. Pela Pátria. Pelo Atlético, até morrer!
Mickel Baptista
mick.bap@hotmail.com
mickbaptista@canelada.com.br
Skype: mick.bap
Embaixador Furacão - Rio de Janeiro - rj@embaixadorfuracao.com.br

Nenhum comentário: